A Classe da Elite Japonesa

Tradução: COTE Brasil


Volume 3

Capítulo 3: O Significado de Liberdade

Introdução

As perguntas de Kõenji pesaram em minha mente por algum tempo. No terceiro dia, deixei o acampamento base antes do meio-dia e fiz meu caminho em direção à entrada da floresta.

"Ahh, ahh, ahh... Onde você está planejando ir agora, Ayanokõji-kun?"

Sakura estava sem fôlego, seus seios arfando enquanto ela respirava. Ela deve ter estado procurando por mim e me perseguido.

“Eu não amarrei um lenço em volta de uma árvore? De qualquer forma, pensei em apenas ir e verificar uma coisa.”

Queria confirmar algo muito antes, mas não tive tempo.

" Provavelmente não está tudo bem para mim... ir junto, está? Eu só iria atrasar você, provavelmente, mas...”

“Não é melhor você ficar para trás? Não vai incomoda-la se as pessoas começarem a espalhar boatos?”

“Isso não me incomoda em nada. Além disso, eu..."

Sakura resmungou tão baixinho que eu não poderia ouvir nada mesmo se colocasse meu ouvido perto.

“Não vai ser particularmente fácil, certo? Quero dizer, depois de passarmos por todo o trabalho de vir para esta ilha, acho que você deveria se divertir um pouco... Embora eu não seja de falar sobre diversão.” 

Pensei em recusar a oferta de Sakura com uma desculpa apropriada. Contudo…

"I-Isso é divertido!"

Sakura ofereceu mais resistência do que eu poderia imaginar. Depois de sua reação surpreendentemente forte, nossos olhos se encontraram em choque. Então, Sakura se agachou e escondeu o rosto.

“Ahhhhh! N... Não, não foi isso que eu quis dizer! Ahh! Quero dizer!"

Eu não tinha ideia do que Sakura estava tentando dizer. Tudo que eu sabia era que ela era uma garota interessante. Seria ótimo se ela pudesse mostrar essa parte de si mesma para os outros.

“Bem, então, que tal irmos juntos? Mas eu tenho uma condição. Se tivermos problemas mais tarde, você não se culpará. OK?"

"Realmente? Está bem?!" 

Ela gritou, ainda escondendo o rosto com as mãos.

 Que tipo de conversa foi essa? Parecia meio estranho apenas ficar em silêncio enquanto caminhávamos, então eu matei algum tempo trazendo um tópico familiar. Qualquer coisa era menos incômoda do que ouvir o barulho de nossos passos no caminho.

“Você está se dando bem com as outras garotas? Quero dizer, você realmente não pode fazer as coisas sozinho neste teste, certo?”

"Não, de jeito nenhum... Nós realmente não conversamos nem nada," Sakura murmurou, enrolando o cabelo com o dedo indicador. Era como se ela se sentisse envergonhada de si mesma.

“Eu simplesmente não valho nada, realmente. Não posso praticar esportes ou estudar. Não estou crescendo como pessoa em nenhuma área.”

"Isso não é verdade. Você está progredindo, Sakura.”

"Hã? Eu, progresso? Ah ha ha... Isso não é verdade, no entanto.”

“Ele é verdadeiro. Talvez você não consiga ver, mas com certeza está progredindo pouco a pouco.”

Tentei transmitir isso com palavras e com minha atitude. Foi realmente eficaz para pessoas como Sakura, que não tinham confiança em si mesmas. Foi a primeira vez que apelei para alguém do fundo do meu coração assim, e eu esperava que ressoasse com ela. Sakura parou de andar e olhou para mim com os olhos trêmulos. Ela estava tentando discernir o verdadeiro significado de minhas palavras.

"Está bem. Você fará alguns amigos muito em breve, Sakura. Então a escola se tornará muito mais divertida.”

Quando nossos olhos se encontraram, Sakura entrou em pânico e desviou o olhar para baixo. Até o fato de que ela foi capaz de olhar para as pessoas por apenas um momento foi uma grande diferença de quando nos conhecemos.

"Isso me lembra... Aquele cara, do incidente anterior... parece que ele renunciou."

O homem que trabalhava na loja de eletrônicos do campus era um fã extremamente apaixonado de Sakura desde seus dias de ídolo da gravura... Não, na verdade, ele era apenas um perseguidor. Ele não estava satisfeito em visitar a página inicial de Sakura e planejou se encontrar com ela pessoalmente.

“Obrigado por tudo... Tudo deu certo graças a você, Ayanokõji-kun.”

“Eu realmente não fiz nada. Você foi salvo porque se aproximou de Kushida e porque Horikita e Ichinose ajudaram. Eu era apenas um espectador. De qualquer forma, mais importante, nada mais estranho aconteceu, certo?”

 Mesmo que o perseguidor tenha deixado as instalações da escola, havia a possibilidade de que ele tentasse entrar em contato online.

“Não, está tudo bem. Na verdade, também tenho feito uma pequena pausa em ser uma idol da internet.”

Provavelmente foi por precaução. Provavelmente uma decisão sábia.

"Além disso, mesmo que você geralmente pareça nervosa, você sempre teve essa expressão muito confiante quando era um ídol."

"Bem, isso é... porque eu mesmo fiz as fotos."

"A muito tempo atrás? Mas quando você apareceu em revistas, provavelmente não tirou as fotos sozinho, certo?”

Sakura respondeu com um sorriso irônico, parecendo envergonhada.

“Não me saí bem e também demorei muito mais tempo do que os outros. Um cinegrafista tirava fotos das meninas para se certificar de que havia o mínimo possível de pessoas envolvidas. Além disso... Naquela época, eu era capaz de suportar porque me esvaziei. Foi como se eu me apagasse, eliminasse meus sentimentos. Entretanto, acabei chegando ao meu limite, então tive que fazer uma pausa.”

 Sakura disse tudo de uma vez, parando no final para respirar fundo. O incidente com o perseguidor parecia tê-la deixado com cicatrizes, mas agora as coisas estavam indo em uma direção melhor. Uma massa de árvores esperava bem à nossa frente. Fui à frente de Sakura, prosseguindo para a abertura do caminho logo à frente.

O caminho a seguir começou a ficar bastante íngreme. Já que tínhamos caminhado por um tempo, decidi que era hora de uma pausa. Eu olhei para trás. Sakura estava tremendo, seus ombros tremendo. Talvez ela não tenha pensado que eu fosse olhar para trás.

“Que tal fazermos uma pequena pausa? Provavelmente vai demorar um pouco mais para chegar ao nosso destino.”

Sakura provavelmente estava exausta depois de caminhar uma trilha tão difícil por meia hora. Ela parecia aliviada. Procurei uma grande árvore que pudesse dar sombra contra o calor extremo, e nós dois sentamos entre as raízes, onde havia espaço para duas pessoas. Porém, Sakura decidiu se sentar um pouco mais longe, talvez devido à sua natureza reservada. Mas o solo era acidentado e irregular, então provavelmente doeu para ela sentar lá.

"Sente-se aqui." 

"Tudo bem?"

"Sim claro. Você não está confortável aí, certo?”

“S-sim…”

Sakura, ainda reservada, sentou-se ao meu lado. Ela se sentou a uma distância tal que as mangas de nossas roupas de ginástica mal tocavam.

“A natureza com certeza é incrível, não é? Gosto de passar muito tempo livre na natureza, mesmo que seja apenas para passear.”

Disse Sakura.

“Considerando até a satisfação de Kõenji, a escola provavelmente tem sido muito boa em manter o lugar. Normalmente, uma selva no exterior seria mais perigosa.”

“Quando saímos de viagem, fiquei deprimido no início. Eu não tinha amigos e não gosto de viajar. Achei que tudo bem se eu pudesse ficar no meu quarto. Se eu fizesse isso, minha vida teria sido a mesma de sempre. Mas então, tudo isso aconteceu. Disseram que era algum tipo de teste...”

Sakura olhou para o céu, suas costas contra a árvore.

“Mas agora estou feliz que viemos aqui. Isso porque eu nunca tive a chance de falar com você assim antes, Ayanokõji- kun...”

Juntos, no meio da floresta, fomos abraçados pela natureza e por uma sensação de serenidade.

“Eu gostaria que pudéssemos ficar assim para sempre...”

“Sim."

Nos três dias desde que chegamos à ilha deserta, este foi o tempo mais longo que fiquei sozinho com Sakura. Eu me perguntei se isso era algum tipo de encontro cármico entre duas pessoas sem amigos. Não parecia estranho ou inútil.

Como Sakura disse, eu senti que a distância entre nós havia diminuído um pouco. Eu não diria que estávamos apaixonados ou algo assim, mas era como se tivéssemos nos tornados amigos. Esta foi provavelmente a primeira vez que senti um relacionamento inclinar-se para a amizade.

“Oh... É uma pena não pode preservar esse momento. Se eu tivesse minha câmera digital, provavelmente poderia ter tirado as melhores fotos, mas...”

Sakura usou o polegar e os indicadores para fazer uma moldura, e colocou ela e eu na moldura várias vezes. Então ela fez uma cara de envergonhada, como se se arrependesse de fazer isso. 

Certamente, era verdade que uma câmera era essencial para preservar as memórias. Já que Sakura estava sempre carregando sua câmera digital na escola, imaginei que aquele momento era provavelmente a oportunidade perfeita para uma foto.

Preservando memórias, hein? Então era por isso que Ibuki tinha uma câmera digital.

“Mas se eu estiver na foto, isso não estragaria o cenário?”

“Não, se você estiver na foto, Ayanokõji-kun, será a melhor foto... Ah! Não! Quer dizer, eu nunca tirei uma foto com um amigo antes!” 

Gritou Sakura, balançando a cabeça.

Sakura era absolutamente genuína. Enquanto estávamos sentados lado a lado, de repente eu a encarei. Sakura não percebeu meu olhar a princípio, mas depois de um longo período de silêncio, ela finalmente percebeu. Nossos olhos se encontraram.

“O... O quê ?! O que é isso?!"

"Acalme-se. Fique quieta."

Sakura entrou em pânico. Coloquei minhas mãos em ambos os ombros e a segurei com firmeza.

"Eek!"

Eu trouxe meu corpo para mais perto de Sakura, deslizando ao lado dela. Quando eu fiz isso, Sakura congelou como um sapo preso pelo brilho de uma cobra. Meus olhos focaram em seu cabelo, onde um inseto estava rastejando. Até alguém como eu, que não sabia muito sobre insetos, conseguia identificá-lo. As pessoas costumam se referir a ele como uma “lagarta peluda”. Honestamente, isso me enojou.

A forma como seu corpo se contorcia e o fato de que ele tinha inúmeras pernas enviou um arrepio pela minha espinha. Provavelmente havia caído da árvore em que estávamos descansando. 

O que devo fazer? Eu pensei. Se eu dissesse a Sakura que ela tinha uma lagarta no cabelo, ela poderia entrar em pânico e começar a gritar. Se a lagarta entrar em suas roupas, seria um desastre ainda pior.

"Sakura, há uma coisa que eu quero te perguntar..." 

"Oo que é isso?"

"Você... você está bem com insetos?"

“I-insetos?"

"Sim. Insetos. Como gafanhotos e libélulas, esse tipo de coisas”

“N-não mesmo. Eu absolutamente não suporto eles. Formigas também.”

"Entendo. Bem, tudo bem então.”

Eu não poderia apontar aqui, então. Eu precisava pensar em outra maneira. Eu gostaria de poder pegá-lo rapidamente, mas sendo um garoto da cidade, eu odiava insetos também.

Mesmo se eu tentasse remover o inseto com um galho ou algo assim, Sakura sem dúvida notaria.

"Hmm. De qualquer forma, não se mexa por enquanto, ok?”

“O-ok. Certo…"

Com aquele aviso cuidadoso, soltei os ombros de Sakura. Enquanto isso, a lagarta se contorcia como se estivesse começando a ir para algum lugar. Tenho certeza de que ele queria apenas escapar e tive que pensar em uma maneira de removê-lo com segurança.

"Qual é o problema?"

Enquanto eu tentava bolar um plano, Sakura inclinou a cabeça com um olhar perplexo. Talvez sentindo que o movimento de

 Sakura significava perigo, a lagarta tentou freneticamente escapar. Ah, isso não era bom! Não seja imprudente, inseto!

Não pude atrasar mais. Eu tinha que salvar Sakura mesmo que isso significasse me sacrificar. Com minha mão trêmula, eu corajosamente alcancei o cabelo de Sakura. Lá! 

Toquei a lagarta, agarrei-a rapidamente e a joguei nos arbustos. Sakura provavelmente não entendia a situação, mas eu consegui protegê-la.

"Ugh... sinto que havia algo nojento em mim..."

Após o intervalo, conversamos amigavelmente e chegamos ao nosso destino com a ajuda do meu lenço que serve de marcador. Levou menos tempo do que eu pensava para chegar lá, apenas cerca de vinte minutos no total. 

De qualquer forma, peguei cuidadosamente o lenço e o devolvi para Sakura, então observei os arredores de onde pensei que Kõenji estivera antes.

Nada nesta floresta se destacou à primeira vista. Não havia mais nada aqui. O que diabos ele estava olhando?

"Você notou algo?" 

Eu perguntei. 

"Hmm... O que é diferente?"

Se seu sentido de visão não funcionasse, você teria que confiar em seus outros sentidos.

“Por enquanto, vamos investigar a área, mas não vá muito longe. Então, vamos verificar um ao outro regularmente. Se não nos concentrarmos, é provável que nos distraímos.”

Procuramos o solo e as raízes da grande árvore de joelhos e tentamos tocar as folhas e galhos verdes luxuriantes acima de nossas cabeças. Nosso sentido do olfato era agudo enquanto respirávamos ar quente pelo nariz. Também tentamos abrir nossos ouvidos e ouvir. Usamos todos os cinco sentidos e verificamos a área minuciosamente, com cuidado para não negligenciar nem mesmo a menor mudança.

"Quê?!"

Sakura, que estava procurando nos arbustos longe de mim, gritou de surpresa. Os arbustos eram tão grossos que eu só conseguia ver parte de seu corpo e me perguntei se ela havia caído de novo.

“Ei, olhe! Eu encontrei algo incrível!” 

A voz de Sakura estava cheia de entusiasmo ansioso.

Enquanto tentava descobrir do que ela estava falando, vi uma variedade diferente de folhas verdes brotando dos arbustos. Algumas partes amarelas também apareceram.

"Isso é... milho?" 

"Parece que sim."

 

 

Eu me perguntei se o milho só crescia nesta área. Eu não sabia muito sobre plantas, mas era óbvio que isso não era natural. 

O solo aqui era de uma cor diferente do solo da floresta circundante, prova de que o milho havia sido cultivado artificialmente. Estranho também porque arbustos cercavam o milho por todos os lados, dificultando a localização devido ao mato.

"Então, isso é o que Kõenji viu..."

Ele notou o milho à primeira vista e não disse nada devido ao seu orgulho terrível. Em qualquer caso, eu estava absolutamente certo de que os funcionários da escola tinham ido e vindo nesta ilha deserta. Este local cultivado deixou isso claro. Inspecionei o milho, que ficou bastante bonito graças ao manejo e cultivo cuidadosos.

"Teria sido bom se trouxéssemos as malas... Provavelmente não podemos, mas me pergunto se deveríamos tentar levar tudo de volta conosco."

Havia cerca de cinquenta espigas de milho, mas carregá-las sem ajuda era impossível. Teríamos inevitavelmente de fazer várias viagens se quiséssemos trazê-los todos de volta. Tirei minha camisa.

"Hã?! O que você está fazendo, Ayanokõji-kun?! É muito cedo para isso!”

Sakura largou o milho enquanto cobria os olhos com as mãos.

“Desculpe, desculpe. Eu pensei que tudo ficaria bem. Espere, o que você quis dizer com 'é muito cedo'?”

Eu não acho que uma garota da idade dela se importaria em ver um cara sem camisa, mas talvez eu não tenha mostrado consideração suficiente.

“Se amarrarmos as aberturas da minha camisa, podemos usá- la como uma bolsa. Assim, poderíamos carregar mais de uma vez.”

Eu tinha medo de que se saíssemos e outras classes encontrassem este lugar, eles colheriam o milho. Eu queria minimizar esse risco.

“Contaremos a todos quando voltarmos e depois colheremos mais.”

"OK."

A colheita inesperada nos deixou alegres, até que avistamos alguns visitantes inesperados.

"Uau. Olha, Katsuragi-san! Há uma quantidade incrível de comida aqui!”

 

Sakura, sua atenção voltada para o milho, saltou de surpresa. Ela se escondeu nas minhas costas. Quando Katsuragi viu isso, ele se desculpou.

“Eu sinto Muito. Não queríamos te surpreender. Ele também não tinha más intenções. Por favor, nos perdoe.”

Ele lançou a Yahiko um olhar severo, obrigando-o a se desculpar. Yahiko, desanimado, pediu desculpas. Eu tinha encontrado esses dois antes. Katsuragi não mostrou nenhuma reação, mas Yahiko imediatamente me notou.

"Ei, você é o espião de ontem!"

Yahiko ergueu a voz, gritando com raiva. Sakura mais uma vez saltou de surpresa e se enrolou em uma bola. Vendo isso, Katsuragi deixou cair seu punho fortemente cerrado na cabeça de Yahiko. Podíamos ouvir o baque surdo e doloroso de onde estávamos.

“Meu nome é Katsuragi, da classe A. Ele é Yahiko. Já que esta é a segunda vez que nos encontramos, uma auto-apresentação deve servir, certo?”

"Sou Ayanokõji, da Classe D. Esta é Sakura."

Depois que trocamos uma breve saudação, Katsuragi olhou para a grande quantidade de milho.

“Você encontrou isso. Não se preocupe, não temos intenção de arrancá-lo de você. Mas se outra pessoa encontrar este local, provavelmente os levará embora”.

“Não há nada que possamos fazer. Só estamos nós dois aqui.”

 Não tínhamos escolha a não ser orar para que ninguém mais encontrasse este lugar. Uma ideia era esconder tudo, mas isso não diminuía o perigo potencial.

"Seus idiotas. Um de vocês dois pode ficar para trás e assistir as coisas! Não é verdade, Katsuragi-san?”

“Você é que parece não entender a situação, Yahiko. Não descarte o perigo de se mover pela floresta sozinho. É difícil o suficiente em grupos de homens, mas quando homens e mulheres estão juntos, não importa o que aconteça, haverá certas limitações para o que você pode fazer.”

Foi por isso que Katsuragi não foi sozinho para a floresta. 

"Nós vamos te ajudar."

“V- você está falando sério, Katsuragi-san? Mas, trabalhar junto com a Classe D é...”

Yahiko obviamente queria recusar, mas ficou quieto depois que Katsuragi lhe lançou um olhar penetrante.

“Agradecemos a oferta, mas nossa classe nos disse para ter cuidado. Eles ficarão bravos se descobrirem que contamos com a ajuda da Classe A. Sinto muito, mas temos que recusar.”

Era mentira, mas Katsuragi não teve outra escolha a não ser se retirar.

“Entendo. Não podemos forçá-lo. No entanto, você pode confiar em nós? Depois que você sair daqui, há uma chance de fugirmos com tudo isso, certo?”

"Nesse caso, eu não teria escolha a não ser desistir do que estou carregando agora."

Katsuragi silenciosamente abriu caminho. Sakura ainda parecia preocupada enquanto nos afastávamos. Depois, quando Sakura e eu voltamos ao acampamento base, contamos a todos sobre o milho.

“Que achado incrível, Ayanokõji! Você também, Sakura! Vamos pegar, Yamauchi!”

Ike chamou Yamauchi, que estava por perto. Depois de ver Sakura e eu conversando com Ike, Yamauchi correu com incrível intensidade. Ele agarrou meu braço e me empurrou para longe de Sakura.

“Hh-ei, você! Por que você estava sozinho e sem camisa com Sakura ?! Por quê?! Hã?!"

"Acalme-se. Isso é um mal-entendido, só isso. Não fizemos nada.”

Eu não sabia que tipo de delírios Yamauchi estava tendo, mas agora não era a hora de entrar nisso com ele.

“Eu tenho que ir falar com Hirata. Desculpe."

“Eu confiei em você, Ayanokõji!"

Yamauchi tagarelou e delirou enquanto eu ia relatar a Hirata. Logo depois, organizamos os alunos em uma equipe, que saiu do acampamento para trazer o milho de volta. 

Além disso, estabelecemos como meta explorar outros lugares e buscar mais comida. Por volta de uma hora da tarde, todos voltaram da colheita o milho.

“Temos muita comida!”

A bolsa parecia estar absolutamente cheia.

“Era muito perigoso, no entanto. Aquele cara da classe A, Katsuragi, estava por perto.”

Aparentemente, Katsuragi não havia roubado o milho depois que partimos. Em vez disso, ele ficou lá para que pudesse nos observar. Se Katsuragi tinha boas ou más intenções, não sabíamos ao certo.



Comentários