Um Alquimista Preguiçoso Brasileira

Autor(a): Guilherme F. C.


Volume 1

Capítulo 10: Tudo pelos ares!!

Com o Caldeirão Encantado devidamente aquecido, estava na hora de começar.

Xiao Ning não possuía uma balança, então teria de contar com a sorte e um bom julgamento de olho, quando fosse definir a quantidade de ingredientes usados por vez. Dessa forma, a primeira coisa que fez foi colocar uma das quatro partes do baço do Javali de Pelos Vermelhos dentro do caldeirão.

Assim que o órgão foi colocado, uma luz azul brilhou em sua mão direita, envelopando a pele com uma energia translucida, que oscilava de forma ilusória. Aquela era sua Energia Espiritual no estado mais puro, sendo condensada e externada. E com um aceno, a jogou para dentro do caldeirão.

Atento, para não cometer erros grosseiros, Xiao Ning fundiu sua própria Energia Espiritual com o baço do javali, que pulou de um lado para o outro, pulsando mais uma vez através de uma vida mortuária e passageira, parecendo que queria escapar das barras de metais.

Em seguida, foi à vez do Capim Malaqui. Ele encheu sua mão esquerda duas vezes e jogou o capim para dentro. E da mesma forma que fez com o baço, derramou Energia Espiritual sobre a Erva.

Mas desta vez não parou por aí. Com as duas mãos, Xiao Ning concentrou uma Energia ainda mais densa e inundou o Caldeirão Encantado, fazendo-o liberar luzes azuis, que ao se misturar com a fumaça que saia dos ingredientes sendo cozinhados, deu origem a uma névoa de tom ciano carregada de mistérios e fantasias.

Essa névoa estranha, junta ao cheiro meio amargo, era o indicio de que a Composição Alquímica havia de fato começado.

Composição Alquímica é como os Alquimistas chamam o processo de criar algo usando um Caldeirão Encantado e Energia Espiritual, através das Chamas da Essência. Essa composição é dividia em diversas categorias, sendo algumas delas: Refinamento; Cocção; Fermentação.

Refinamento: Essse é um processo que tem por finalidade a fabricação de pílulas. Existem diversos tipos, mas a mais comum e procurada é a Pílula do Refinamento Espiritual, ou simplesmente Pílula Espiritual, que pode ser dividido em diversos níveis.

Tal pílula tem o efeito milagroso de aumentar a quantidade de Energia Espiritual que um cultivador pode absorver por um determinado período de tempo. E quanto maior o nível e mais pura é a qualidade, mais Energia é possível absorver.

Cocção: A Cocção é usada para criar as poções e outras coisas à partir do cozimento. Essas, que por sua vez normalmente são feitas com o objetivo de curar, restaurar o ânimo ou o vigor. Mas elas possuem diversas outras finalidades. Domar uma besta, ou ludibriar seu inimigo com visões irreais e aterradoras, não é algo impossível para esse tipo de Composição Alquímica.

Fermentação: No norte de certo império, há muito visitado por Xiao Ning, existia um ditado, “Não há elixir melhor do que o nosso bom vinho!”. Elixires são muito parecidos com as poções, à diferença está em sua composição, que é necessário o uso de álcool para fabricá-lo.

Mas vale ressaltar, existem diversos tipos de composições. Algumas das quais mesmo Xiao Ning desconhece seus métodos de prática. Essas citadas acima, são apenas as principais. A estirpe que liga um mundo mágico através do fogo e metal.

O processo que Xiao Ning estava fazendo nesse momento era o Refinamento. No geral, refinar esse tipo de pílula, de baixo nível, era algo que não demoraria mais do que alguns minutos. Mas devido ao Caldeirão Encantado de péssima qualidade, as Chamas da Essência instáveis e o Sentido Espiritual imperfeito, que não lhe permitia saber com precisão o quanto de Energia usar, o tempo foi prolongado de uma maneira exagerada.

Já estava chegando a uma hora, quando, de repente, do caldeirão, a névoa de tom ciano desapareceu e uma fumaça preta subiu. Xiao Ning abanou a fumaça para longe usando uma das mãos e praguejou:

― Droga, fracasso!

De certa forma, era frustrante fracassar no Refinamento de uma pílula tão básica. Por outro lado, a sensação de ser um verdadeiro iniciante era empolgante. Com um largo sorriso, tornou a acender as Chamas da Essência, pegou mais um pedaço de baço, um punhado de Capim Malaqui e repetiu todo o processo.

― Acho que excedi no uso da Energia Espiritual. Vou tentar diminuir um pouco desta vez. ― murmurou consigo mesmo.

Trinta minutos depois, a nevoa azul, que não ousava sair da borda do caldeirão, tremeluziu e ficou mais escura, ganhando uma cor quase arroxeada. Percebendo isso, Xiao Ning focou ainda mais seu Sentido Espiritual para tentar descobrir o que estava acontecendo. Mas tudo o que sentia era um mundo nublado, nebuloso demais para olhos imprecisos alcançar.

Falhando em descobrir o que havia de errado, resolveu enviar ainda mais Energia Espiritual para dentro do caldeirão. E por um instante, pareceu que havia conseguido resolver o problema. A cor ciano foi reestabelecida e um brilho reluzente, quase aveludado, ganhou vida. Porém, mais uma vez o tom mudou e a nevoa perdeu seu brilho. Então, enviou ainda mais Energia.

Foi quando, do nada, a nevoa se transformou em uma bruma roxa e densa. No centro do caldeirão, a fumaça começou a se agitar, rodopiando em um ritmo vagaroso, porém de constante aceleração. Impulsionado pela Energia em excesso, um pequeno tornado se formou, girando em uma espiral crescente e ascendente. O Caldeirão Encantado vibrou, retinindo um timbre distante e tempestuoso. No interior do casebre, os panos balançaram sendo impelidos pelas lufadas propagadas, que aos poucos ganhavam forma. E de repente, as coisas mais leves, como o capim, começaram a ser sugadas para dentro da bruma.

Rajadas de vento se espalharam pelo recinto, formando um furacão que crescia a cada instante. O Capim Malaqui, incluindo aquele que estava dentro do saco, em um canto, foi sugado para dentro do caldeirão, com a fronha e tudo. Os órgãos do Javali de Pelos Vermelhos; os dois pratos; a cama de pano, tudo estava sendo sugado pelo tornado, que foi crescendo e se expandindo até atingir o teto da cabana.

Quando o furacão ganhou força e começou a engolir tudo que havia dentro do casebre, Xiao Ning, parecendo calmo, levantou-se enquanto se afastava da espiralar roxa que batia contra o telhado. Com os cabelos balançando loucamente e a roupa tremulando incontrolável, ele deu alguns passos cautelosos rumo a porta.

A primeira vista, parecia não estar muito preocupado com o evento que se desdobrou em um instante e se tornava mais caótico a cada segundo. Porém, quando ouviu um estalo metálico ecoar do utensílio, que a essa altura estava encoberto pelo furacão, arregalou os olhos e saiu correndo desenfreado para fora da cabana enquanto rugia:

― VAI EXPLODIR!

Em um ato de desespero, Xiao Ning chutou a porta, que estava fechada, arrancando-a da parede e jogando-a longe. Fugiu correm o mais rápido que conseguia. Sem sequer olhar para ver se havia alguma coisa por ali, ele mergulhou de ponta-cabeça atrás de uma árvore e se encolheu feito um coelho assustado.

Quando, de repente...

“BOOMM!”

Uma fumaça roxa subiu em direção ao céu e, por algum motivo misterioso, seu casebre velho, caindo aos pedaços, naquele dia aprendeu a voar. No lugar que antes havia uma pequena casa, agora se encontrava uma marca preta de fuligem decorando um campo aberto, de mato chamuscado.

Quando parou de chover restos do que um dia fora uma cabana, Xiao Ning, com bastante cautela, espichou a cabeça para fora da árvore.

― Eu sabia que devia ter jogado aquela coisa fora... sucata! ― murmurou, olhando para o lugar que antes ficava sua casa. E, em contra partida a reação esperada, que muitos tomariam em seu lugar, ele não ficou irritado ou deprimido. Pelo contrário. ― AHAHAHAHAH! ― caiu na gargalhada. Mesmo estando diante de uma situação desastrosa, Xiao Ning não pôde deixar de rir e sorrir ainda mais.

A explosão do casebre foi tão grande que, dentro do território da Família Xiao, no alto de um pico, onde se encontrava uma mansão deslumbrante, um velho de cabelos longos e brancos e barba tão comprida e grisalha quanto, com uma expressão carrancuda, escancarou as portas da casa e crocitou:

― Mas que diabos de barulho é esse? ― disse em um tom irritadiço, com uma voz serrilhada. ― Hm... O que é aquilo. ― perguntou-se, olhando para a fumaça roxa ao longe.

Nas arenas de Combate e Treinamento.

Ei! O que é aquilo? Aquela fumaça roxa?

― Eu não sei. Mas não é ali que...

― O que será que aconteceu?

― Foi um ataque?

Os jovens pararam o que estavam fazendo somente para admirarem o céu longínquo, que ganhara um tom arroxeado. O reboliço se espalhou pela arena. Todos queriam saber o que diabos havia acontecido. Alguns temiam estar sendo atacados por uma Besta Demoníaca poderosa ou uma Família inimiga, embora soubessem que as chances eram mínimas. Só foram se acalmar, quando os professores interviram. Mas para ser sincero, até mesmo eles se encontravam curiosos.

Neste momento, todos da Família Xiao olhavam na direção do casebre de Xiao Ning, incluindo Xiao Shui, que estava parada no pátio externo de sua casa.

― Pai! ― chamou Xiao Shui. ― Veja. Aquilo não é na casa daquele vagabundo?

Hm... de fato! ― concordou Xiao Chang, acenando a cabeça. Com uma expressão preocupada, continuou. ― Acho melhor ir dar uma olhada.

Terminando de dizer isso, ele e Xiao Shui saíram. Na verdade, neste instante, havia muitas pessoas indo em direção a origem da fumaça roxa, que aos poucos se dissipava, sendo carregada pelo vento.

No casebre, agora explodido, Xiao Ning revirava os destroços tentando encontrar algo que sobrevivera a explosão. Para seu infortúnio, estava tudo queimado. Mesmo os órgãos do Javali de Pelos Vermelhos tinham sido destruídos. As únicas coisas que sobraram, além da roupa no corpo, foi sua lança, à pele e as presas do javali, que haviam sido deixadas do lado de fora. Até mesmo, ou deveria dizer, principalmente, o caldeirão, tinha sumido sem deixar vestígios.

Olhando para toda a bagunça, Xiao Ning não pôde deixar de lamentar:

― Droga! Até eu conseguir outro caldeirão...

Ele sabia que em qualquer lugar um Caldeirão Encantado, mesmo um do Tipo Normal de Baixa Qualidade, custaria ao menos algumas moedas de prata, talvez cinco ou oito, e o problema residia no faoto de que não possía sequer um bronze. Tudo em sua posse se resumia a uma pele e um par de presas, os quais, com sorte, seriam vendidas por uma, quem sabe duas, moedas de prata.

De qualquer forma, teria que esperar um pouco para enfim produzir sua primeira pílula. Ah... era realmente horrível, lamentável! Depois de tanto tempo esperando, teria que aguardar ainda mais para fazer Alquimia.

Enquanto Xiao Ning estava se lamentando e pensando numa forma de ganhar dinheiro rápido, de repente, sentiu uma pressão esmagadora indo em sua direção. Era como se um par de olhos o estivesse encarando de longe. Em um movimento involuntário, virou a cabeça e olhou para o céu.

Foi quando viu: Um homem velho de cabelo e barba branca estava voando, surfando através do ar. Suas vestes azul-escuro balançavam junto ao vento. Com uma expressão carrancuda e o olhar fixo em Xiao Ning, o velho se aproximou em alta velocidade.

Vendo aquele homem voando, Xiao Ning sequer precisou usar o Sentido Espiritual para saber que ele estava pelo menos no Reino Espirituoso; pois os únicos que eram capazes de voar são aqueles que se encontravam nesse Reino e acima.

No entanto, o velho não era o único voando em sua direção. Como se fossem formigas atraídas pelo mel, em pontos diferentes, era possível ver pessoas se aproximando, cortando o céu em uma velocidade assombrosa. Algumas mais distantes que as outras, mas todas em direção ao casebre de Xiao Ning.

Olhando para o céu, com um semblante pesaroso e desanimado, ele suspirou parecendo deprimido. Pensou: “Agora eu estou ferrado!”

O primeiro a chegar ao chão foi o velho de cabelo branco. Ele lançou um olhar sem muita importância para Ning e depois caminhou, com as mãos nas costas, até a cabana destruída. Sem muita pressa, deu uma volta ao redor. Estudou atentamente os escombros. Com a ponta dos pés, cutucou a fuligem impregnada no solo. Examinou as poucas madeiras sobreviventes, manchadas por um estranho pó roxo. E por fim, virou-se para o culpado.

― Garoto, o que foi que aconteceu aqui? ― questionou o velho, com uma voz áspera de arrogância, desgastada pelo tempo.

Xiao Ning olhou para ele por um momento, estudando suas feições duras e severas, antes de enfim falar algo:

― Depois de toda essa enrolação não conseguiu perceber que o lugar explodiu?

― O que foi que você disse, pequeno bastardo? ― trovejou o velho, seus olhos faiscaram uma raiva repentina e ardente.

Xiao Ning, pego de surpresa com a reação, deu um salto para trás. Não teve nenhuma malicia ao fazer o comentário, apenas pensou que o velho tinha demorado demais para perceber que o lugar havia explodido. Por isso falou aquilo sem pensar nas consequências.

O velho, por outro lado, estava irado com o desrespeito do pequeno bastardo. Ele levantou o braço e uma luz vermelha começou a se juntar em sua mão. Xiao Ning sentiu que aquilo era pura Energia Espiritual condensada. Não havia nenhuma técnica por trás. Contudo, ainda assim, se fosse atingido, seria o seu fim.

― Na próxima vida aprenda a ser respeitoso com os mais velhos! ― sibilou, dando início a um movimento de mão, insinuando um possível ataque.

Mas, neste instante, uma voz carregada de poder, ofuscando as intenções maliciosas do velho, surgiu:

― Já basta. ― Como se vinda de um titã, a ordem desceu do céu, acuando todos os miseráveis abaixo, fazendo os inferiores recuarem e se curvarem a uma vontade superior.

Reconhecendo o som familiar, Xiao Ning levantou a cabeça e viu que logo acima se encontrava Xiao Chang, e enrolada em seus braços, estava Xiao Shui.

Liberando uma aura opressora, acompanhado de um semblante resoluto, que não perdia em nada para o velho, Xiao Chang pousou ao lado do afilhado, deu um passo à frente e pediu, com um tom de voz que não era bem um pedido:

― Irmão mais velho Dong, você não poderia mostrar misericórdia e como o 1° Ancião, perdoar esse jovem por essa boca tola, que não sabe o que diz? ― pediu, parecendo respeitoso, mas sem demonstrar subserviência.

Ao ver Xiao Chang em sua frente, Xiao Dong, fez uma careta ainda mais desgostosa. Como o 1° Ancião era de fato o seu dever mostrar misericórdia às tolices dos jovens. Porém, escutar Xiao Chang implicar isso, fazia seu sangue ferver e o desejo por uma lição, que ficaria para sempre marcada nas costas do desrespeitoso, só crescia. No entanto, ele não poderia agir como bem entendesse.

Hunf, como o irmão mais novo Chang diz, é o dever dos mais velh... ― Apenas quando o 1° Ancião Dong estava prestes a esquecer o assunto, um comentário infortúnio surgiu.

Ah... então esse velhote com cara amassada é o primeiro Ancião. ― disse Xiao Ning, que estava parado ao lado de Xiao Shui, a qual havia se desgarrado dos braços do pai. Ele nunca tinha visto o 1° Ancião, por isso, sem perceber o que estava falando, deixou esse comentário escapar.

Quando viu aquele vagabundo abrir a boca para, logo após, falar algo impróprio, Xiao Shui ficou pálida. Com uma voz urgente, grunhiu:

― O que você está fazendo? Se apresse e implore por perdão! ― ordenou, empurrando Xiao Ning pelo braço de maneira brusca, tentando obrigá-lo a dar um passo em frente e curvar a cabeça, implorando por clemência.

Mas já era tarde demais.

― Veja! Esse garoto é desrespeitoso para com os mais velhos! Uma desgraça para a Família! Hoje colocou fogo em sua própria casa, amanhã, quem garante que não será a minha ou a sua. Esse mal deve ser cortado ainda jovem! ― vociferou o 1° Ancião Dong. Na palma que apontou para Xiao Ning, uma luz dourada brilhou. Dessa vez não se tratava de energia condensada, era uma legitima Técnica de Combate.

Mas então, uma Energia capaz de oprimir a todos que estavam abaixo, varreu a área do casebre explodido. O ar vibrou anunciando uma chegada majestosa, transcendente. Sentindo a pressão, Xiao Ning e os outros olharam para cima, a única que demorou a perceber o que estava acontecendo foi Xiao Shui.

Quando viu um homem flutuando no ar, o 1° Ancião Dong cerrou os olhos e bufou friamente, fazendo a luz dourada em sua mão desaparecer. Por outro lado, Xiao Chang se permitiu externar um sorriso discreto, deixando um alívio escapar entre os dentes.

― Patriarca! ― murmurou Xiao Shui, surpresa e impressionada, com a visão agraciada que não esperava encontrar no dia de hoje.

Xiao Ning tentou sondar o homem que flutuava no céu, logo acima de suas cabeças, com uma postura serena, mas devido ao seu Sentido Espiritual impreciso, tudo o que conseguiu descobrir era que, sua força espiritual (Energia) com certeza era superior a Xiao Chang e o 1° Ancião.

Talvez, ele seja a pessoa que esteja mais próximo de entrar no Reino do Soberano do Despertar dentro da Família Xiao.

 


Niveis do Cultivo: Mundano; Despertar; Virtuoso; Espirituoso; Soberano do Despertar; Monarca Místico; Santo Místico; Sábio Místico; Erudito Místico.

 


Página do Facebook: Fique por dentro de lançamentos, conheça curiosidades a respeito da obra, saiba em primeira mão sobre novas histórias e interaja comigo quando quiser, a qualquer hora, além de muitas outras coisas.

Instagram: Se preferir, me siga pelo instagram, onde estarei postando trechos da história e curiosidades, além de muitas outras coisas.



Comentários